12. A Relação com as Ideias

Para achar sentido nos acontecimentos da vida, o ser humano se vale das ideias e interpretações que lhe fornecem a cultura vigente, suas crenças religiosas e suas experiências prévias.

O estudo da história e das ciências é fundamental para compreender o que acontece. A visão da vida se completa quando se integra ao conhecimento vigente. A interpretação que cada um de nós faz da vida é a referência que usamos para escolher nossos objetivos e a maneira de realizá-los. Dentro do contexto deste capítulo, entende-se que essas ideias são mais puras do que as geradas pela alma em seu estado de consciência habitual; entende-se também que essas ideias a estimulam a participar e a se desenvolver.

A relação que se estabelece com o panorama conceitual que se adota para compreender a vida e a sociedade segue certas diretrizes que, grosso modo, indicam o grau de adiantamento que cada qual pode alcançar através de suas experiências.

Nesse processo podem-se distinguir três tipos de relação: a relação emocional, a dogmática-argumentativa e a de silêncio-experimentação. Estas três relações geralmente coexistem na alma em proporções variadas. Diz-se que uma alma mantém um ou outro desses três tipos de relação de acordo com a que nela prepondera.

Na relação emocional nos comovemos com as ideias e conceitos que acreditamos serem certos, mas não os praticamos. Imaginamos estar vivendo as ideias porque nos emocionamos quando as recebemos e acreditamos nos conceitos. Como não distinguimos se existem contradições entre as ideias que sentimos como verdadeiras e nossa maneira de viver, interpretamos nossas experiências de acordo com nossos desejos e conveniências e sempre encontramos argumentos para justificar nossa conduta.

Por um lado defendemos tenazmente nossas crenças e pelo outro, podemos chegar a negá-las com nossas ações até o ponto de esquecer seus preceitos como, por exemplo, os de amar ao próximo, perdoar e não matar, dando justificativas para o ódio e a vingança.

Na relação emocional as reações de atração e de repulsa influem poderosamente na interpretação das experiências e das ideias. É muito comum generalizar-se uma opinião que se baseia unicamente no que nos atrai ou nos desagrada, qualificando alguma coisa como boa ou má de acordo com nossas preferências. Por outro lado, como a atração e a repulsa provém em grande parte dos hábitos de vida e da formação recebida, a relação emocional com as ideias também é dogmática.

A relação dogmática com as ideias reduz a visão da vida a um único ponto de vista. Pensa-se que as próprias crenças são a única verdade, não se aceita outra verdade e tende-se a projetar o mal da sociedade sobre aqueles que opinam de forma diferente, pensando que são os causadores dos problemas que sofremos. Essa atitude induz à separatividade e à hostilidade.

A relação dogmática com as ideias cria confrontos que não produzem grande esclarecimento. Como cada um está convencido de sua própria opinião, não busca a verdade mas sim, demonstrar o erro dos que não estão de acordo. Fala-se aqui de confrontos hostis, e não de discussões que produzem intercâmbio intelectual com a consequente aproximação entre pontos de vista diferentes.

A relação argumentativa com as ideias é outro aspecto do dogmatismo e leva a julgar toda informação que se recebe, tomando como padrão as ideias estabelecidas que tenhamos adotado sem tê-las analisado. Se os novos conhecimentos coincidem com essas ideias nós o aceitamos sem criticar; se não, eles são questionados e rejeitados. As crenças dogmáticas são como um prisma através do qual se interpreta a vida. Toda informação é filtrada pelo sistema de crenças e passa a confirmar nossa própria visão da realidade, afiançando-nos a segurança de estarmos agindo acertadamente.

Nem sempre se é consciente do próprio dogmatismo. As interpretações limitam-nos a tal ponto que nos levam a crer que nossa maneira própria de pensar é universal e que não existem diferentes enfoques da realidade. Enquanto se mantém essa atitude, rejeita-se sistematicamente tudo o que não está de acordo com nossas ideias formadas e perde-se a possibilidade de ampliar nossa própria maneira de pensar. Uma visão diferente da nossa não implica necessariamente uma opinião equivocada, mas outra forma de enfocar a questão. É bom comparar nossas opiniões com outras, sem discutir nem condenar aquelas que são diferentes, para entender melhor nossa própria posição e as posições de outros pontos de vista.

O terceiro tipo de relação com novos pontos de vista é o de silêncio-experimentação. O ser humano abre-se a conceitos novos, a pontos de vista diferentes. Sua relação com as ideias não é nem de concordância nem de rejeição; se assim não fosse, ela seria reduzida à crítica de seu conteúdo segundo as ideias que ele já tem e não aprenderia nada de novo.

Não é necessário “crer” em novos pontos de vista, novas concepções, novas possibilidades que as experiências pessoais e coletivas detonam, porém deve-se considerá-los e estudá-los.  As ensinanças que a experiência encerra dão bons frutos quando se tem uma atitude investigadora, aberta e livre de preconceitos. Esta atitude ensina a escutar e abre um panorama para além dos dogmas. Escutar e informar-se sem julgamento prévios é um meio excelente de ampliar a compreensão e de se renovar interiormente.

Quando se descobre uma ideia que se considera útil, deve-se buscar a maneira de aplicá-la à vida diária para que ela não se dilua numa compreensão passageira. Por mais simples que uma compreensão seja, requer um método de trabalho interior para ser incorporada à vida. Praticar durante certo tempo o que se aprende da vida concede-nos uma rica experiência; mas, fazer dessa compreensão uma forma de ser, requer que se mantenha uma atitude de observação, experimentação e fidelidade; se se persevera neste esforço, vai-se adquirindo sabedoria.

A atitude de observação permite compreender os processos interiores sem deformá-los com interpretações subjetivas. Dessa maneira, pode-se distinguir o que se deve mudar ou melhorar e quais conceitos devem ser aplicados em cada caso para transformar essa compreensão numa conquista permanente.

Não há soluções prontas para os desafios da vida, nem receitas preparadas para aplicar em cada momento do desenvolvimento humano. Os conceitos fundamentais da vida espiritual devem ser experimentados por cada um, de acordo com as circunstâncias e com suas características individuais. Os princípios espirituais verdadeiros não se contrapõem aos resultados da análise e da experimentação. Pelo contrário, as verdades evidentes põem à prova a validez dos princípios espirituais e, por sua vez, estes ensinam-nos a usar adequadamente o poder que o saber nos concede.

Experimentar é, em primeiro lugar, discernir que conceitos ou pontos de vista são necessários explorar para se expandir o próprio horizonte; em segundo, escolher a maneira de aplicar os conceitos; em terceiro, avaliar os resultados obtidos e, finalmente, ir retificando a ação para se alcançar o melhor fruto possível.

A atitude de abertura protege da tendência a julgar o resultado dos esforços como triunfos ou fracassos. Um efeito indesejável não é um fracasso mas um novo conhecimento que, se for bem aplicado, evita que se cometam sucessivos erros.

Para que as ideias e as experiências nos ensinem realmente, deve-se estar disposto a expandir permanentemente nosso ponto de vista. Nem todos os pontos de vista são igualmente válidos, já que uma opinião desinteressada é mais ampla do que outra, egoísta. Para distinguir umas das outras é preciso universalizar através de interpretações cada vez mais amplas.

A ensinança da vida se incorpora à alma passo a passo quando se mantém uma atitude aberta e receptiva. Quem quiser cultivar a arte de viver não vive à espera de uma grande ensinança, já que a vida é um livro aberto que, quando o sabemos ler, concede-nos o que necessitamos para compreender nossas experiências e entender-nos a nós mesmos.

Fonte: “A Arte de Viver a Relação”
Jorge Waxemberg

Eu aprendi – Shakespeare (Video por: Renato)


“Trabalhar sobre as relações é a maneira de responder ao desafio que implica nossa ignorância sobre o que somos, de onde viemos, para onde vamos. Todo esforço para responder com palavras a essas perguntas choca-se violentamente com a limitação do cérebro humano.  As relações, ao contrário, nos conectam com todos os aspectos da realidade, inclusive com aqueles que não compreendemos, e marcam vias pelas quais é possível expandir a consciência. O trabalho sobre as relações requer que tenhamos a ousadia de renunciar às ideias formadas sobre o que somos, o que sabemos e o que queremos na vida, e que nos apoiemos, por um lado, sobre a tarefa de nos relacionarmos de forma harmônica e consciente com uma área cada vez maior da realidade, e, pelo outro, sobre a fé em que, já que participamos da totalidade da existência, as respostas finais estão em nós mesmos. A experiência daqueles que remontam ao curso deste maravilhoso caminho interior mostra que isso é possível.”


próximo –
13. A Relação com a Vida

Anúncios

Sobre Alexandre de Castro

Ser Humano que busca obter êxito ao praticar o altruísmo, pois aprendi que, apenas mantenho o que Dele recebo, quando compartilho com o meu igual: Você.
Citação | Esse post foi publicado em Uncategorized. Bookmark o link permanente.

You are free to comment

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s