A Cura

Dependência – contexto geral

A ORAÇÃO. O PERDÃO. A CURA

1. A ORAÇÃO

1. A oração é o maior dom com que Deus abençoou o Seu Filho quando o criou. A oração já era, então, aquilo em que haveria de converter-se: a única voz que o Criador e a criação compartilham; o canto que o Filho entoa ao Pai, Quem lhe devolve o agradecimento que o canto Lhe manifesta. A Harmonia é interminável, assim como é interminável a abençoada aliança de amor que, eternamente, se dão Um ao Outro. E, deste modo, se estende a criação. Deus agradece à Sua extensão no seu Filho. No seu canto, o Seu Filho agradece por ter sido criado, à medida em que vai criando em Nome do Seu Pai. O amor que compartilham é aquilo que toda a oração haverá de ser por toda a eternidade, quando o tempo tiver terminado. Pois isso é o que já era antes do tempo parecer existir.

2. Para ti que, por um breve período, estás no tempo, a oração manifesta-se na forma que melhor satisfaça as tuas necessidades. Tu tens, somente, uma necessidade. O que Deus criou uno, apenas tem de reconhecer a sua unicidade e regozijar-se pelo facto de que o que as ilusões aparentemente separavam, é uno, para sempre, na Mente de Deus. A oração tem de se converter, agora, no meio através do qual o Filho de Deus abandona os seus objetivos e interesses separados, e se dirige, em santo júbilo, à verdade da Sua união com o Pai e consigo mesmo.

3. Abandona os teus sonhos, santo Filho de Deus e, elevando-te tal como Deus te criou, prescinde dos ídolos e lembra-te Dele. A oração sustentar-te-á agora e abençoar-te-á à medida em que elevas o teu coração até Ele através de um canto ascendente que eleva muito, muito alto, até que o baixo e o alto tenham desaparecido. A fé no teu objectivo aumentará e suportar-te-á à medida em que ascendes pela deslumbrante escadaria que te alça às pradarias celestiais e aos umbrais da paz. É isto a oração e nela reside a salvação. Este é o caminho. Este é a dádiva que Deus te oferece.

I. A verdadeira oração

1. A oração é uma forma que o Espírito Santo te oferece de chegar a Deus. Não é, simplesmente, uma pergunta ou uma súplica. Não pode ser resultar até que te apercebas de que não pede nada. De que outra forma poderia cumprir o seu propósito? É impossível rezar a ídolos e esperar encontrar Deus. A verdadeira oração deve evitar converter-se numa súplica. Deves pedir, isso sim, o que já te foi dado: aceitar o que já está aqui.

2. Foi-te dito que peças ao Espírito Santo a resposta a qualquer problema concreto, e que receberás a resposta concreta dado é disso que precisas. Foi-te dito, também, que só existe um problema e uma só solução. No que diz respeito a rezar, isto não é uma contradição. Aqui, há que tomar decisões, quer sejam ilusórias ou não. Não se te pode pedir que aceites respostas que transcendem o nível de necessidades que consegues reconhecer. Portanto, o que importa não é o formato pergunta ou, sequer, a maneira como se pergunta. A forma como a resposta se manifesta, a qual procede de Deus, satisfará a tua necessidade tal como a percebes. Mas é, simplesmente, um eco da resposta da Sua Voz. O verdadeiro som é sempre um canto de gratidão e de amor.

3. Portanto, não podes pedir o eco. O canto é o que constitui a verdadeira dádiva. Com ele, vêem os harmônicos, as harmonias e os ecos, mas tudo isto é secundário. Na verdadeira oração ouve-se, somente, o canto. O resto vem por acréscimo. Procuraste, em primeiro lugar, o Reino dos Céus, e tudo o resto certamente te foi concedido.

4. O segredo da verdadeira oração é esqueceres-te do que crês necessitar. Pedir coisas concretas é como contemplar o pecado e, depois, perdoá-lo. Da mesma forma, ao rezares desvalorizas as tuas necessidades específicas tal como as vês e entrega-las nas Mãos de Deus. Lá se convertem nas tuas próprias dádivas que ofereces a Ele, dado que Lhe dizem que tu não queres antepor outros deuses a Ele e que não pretendes outro Amor senão o Seu. Qual poderia ser a Sua resposta senão a de que te lembres Dele? Acaso se pode trocar isto por mísero conselho acerca de um fugaz problema? Deus responde para toda a eternidade. No entanto, todas as respostas menores estão contidas na Sua resposta.

5. Rezar é pores-te de lado: uma renúncia, um tempo de sossegada escuta e amor. Não deve confundir-se com nenhum tipo de súplica, uma vez que é uma forma de recordar a sua santidade. Por que terias de implorar a santidade quando tens o pleno direito a tudo o que oferece o amor? E, quando rezas, é ao Amor que te diriges. A oração é uma oferenda: uma renúncia de ti mesmo para que possas tornar-te uno com o Amor. Não há nada para pedir, porque não há nada que possas querer. Este «nada» converte-se no altar de Deus e desaparece com Ele.

6. De momento, nem todos podem alcançar este nível de oração. Aqueles que ainda não o alcançaram precisam que os ajudes a rezar verdadeiramente, porque o que pedem ainda não se baseia na aceitação. O facto de outro te ajudar a rezar não significa que ele seja um mediador entre ti e Deus. Significa, simplesmente, que outro está ao teu lado e que te ajuda a elevares-te até Ele. Aquele que tomou consciência da bondade de Deus, reza sem medo. E quem reza sem medo não pode deixar de encontrar Deus. Portanto, pode alcançar o Seu Filho seja onde for que este se encontre, e independentemente da forma que pareça adotar.

7. Rezar a Cristo em qualquer pessoa é uma verdadeira oração porque se trata de uma dádiva de gratidão para o Seu Pai. Pedir que Cristo seja unicamente o que Ele é não é um rogo. É um canto de ação de graças por aquilo que és. Nisto radica o poder da oração. Não pede nada e recebe tudo. Esta oração pode ser partilhada, porque recebe para o mundo inteiro. Talvez a forma concreta para um problema específico possa ocorrer a qualquer um dos dois. Não importa a quem. Talvez chegue a ambos se estiverem verdadeiramente sintonizados um com o outro. Chegará, contudo, porque ambos se deram conta de que Cristo está neles. Essa é a sua única verdade.

II. A escadaria da oração

1. A oração não tem nem princípio nem fim. Faz parte da vida. No entanto, muda de forma e cresce à medida em que se vai aprendendo, até que atinge o seu estado amorfo e se funde numa comunicação total com Deus. Na sua vertente peticionária não precisa de recorrer a Deus e, com frequência não o faz, e nem sequer requer que se creia Nele. Nestes níveis, a oração é, simplesmente, um desejo surgido de uma sensação de escassez e de carência.

2. Estas formas de oração ou de pedir como resultado de alguma necessidade, sempre refletem sentimentos de debilidade e insuficiência, e um Filho de Deus que sabe Quem é não se serve delas. Assim, ninguém que esteja seguro da sua Identidade, pode rezar desta forma. Mas é igualmente certo que ninguém que não esteja seguro da sua Identidade poderá evitar de o fazer. E a oração é tão continua como a vida. Toda a gente reza sem cessar. Pede e te será dado, uma vez que terás estipulado o que queres.

3. Também é possível alcançar uma forma mais elevada de pedir, em função de alguma necessidade, dado que, neste mundo, a oração é reparadora e, portanto, compreende diferentes níveis de aprendizagem. Neste caso, pede-se a Deus com fé absoluta, ainda que sem entendimento. Normalmente, um vago e frequentemente instável sentido de identificação foi alcançado, embora este tenda a ser indefinido devido a uma profunda sensação de se ter pecado. Neste nível, é possível continuar a pedir, de várias formas, coisas deste mundo, sendo possível, também, pedir dons como a honestidade ou a bondade e, em especial, o perdão pelas muitas fontes de culpabilidade que, inevitavelmente, estão por detrás de qualquer oração que nasça da necessidade. Sem culpabilidade não há escassez. Quem não conhece o pecado não tem necessidades.

4. Neste nível surge essa curiosa contradição de «rezar pelos inimigos». A contradição não radica nas palavras em si, mas na forma como, normalmente, elas são interpretadas. Enquanto acreditares que tens inimigos, estás a limitar a tua oração às leis deste mundo, assim como estás a usar tais limitações para comprometer a tua capacidade de receber. Não obstante, se tens inimigos, terás necessidade de rezar, e grande necessidade, certamente. O que é significa, realmente, a frase: «rezar pelos inimigos»? Significa que deves rezar por ti, para que não aprisiones Cristo, o que te impedirá de reconhecer a tua própria Identidade. Não atraiçoes ninguém ou te atraiçoarás a ti mesmo.

5. Um inimigo é o símbolo de um Cristo cativo. E quem poderá ser Ele senão tu mesmo? Assim, rezar pelos teus inimigos, converte-se numa forma de rezar pela tua própria liberdade. Desta forma, a oração deixou de ser uma contradição. Converteu-se numa afirmação da unidade de Cristo e num reconhecimento da Sua impecabilidade. Desta forma, tornou-se santa, pois reconhece o Filho de Deus tal como foi criado.

6. Nunca te esqueças de que a oração, em qualquer dos seus níveis, é sempre para ti mesmo. Se te unes a alguém em oração fazes com que a dita pessoa passe a ser parte de ti. O inimigo eras tu, tal como também és o Cristo. Portanto, antes que a oração possa tornar-se santa, torna-se em algo que tu escolhes. Não escolhes para outro. Só podes escolher para ti. Reza sinceramente pelos teus inimigos, pois nisso radica a tua própria salvação. Perdoa-os pelos seus pecados e certamente serás perdoado.

7. A oração é uma escadaria que chega até ao Céu. No alto produz-se uma transformação igual à tua, dado que a oração faz parte de ti. As coisas da terra são deixadas para trás e esquecidas. Não se pede nada, pois não se precisa de nada. Reconhece-se, planamente, a Identidade de Cristo como algo que foi estabelecido para sempre: como algo que transcende qualquer mudança e é incorruptível. A luz deixou de bruxulear e jamais desaparecerá. A partir deste momento, a oração – sem necessidades de qualquer ordem e engalanada eternamente com a pura impecabilidade que é a dádiva que Deus te faz, o Seu Filho – pode voltar a converter-se naquilo para o qual foi concebida. Pois, agora, ela eleva-se qual canto de gratidão ao teu Criador, sem palavras, pensamentos ou desejos vãos e absolutamente sem qualquer tipo de necessidade. Portanto, estende-se como está disposto desde o princípio. E por esta concessão o próprio Deus agradece.

8. Deus é a meta de qualquer oração, o que faz com ela seja eterna em vez de temporal. A oração não tem princípio, porque o objetivo nunca se alterou. As formas por ela adotadas inicialmente são uma ilusão, uma vez que não se precisa de uma escadaria para chegar àquilo de que nunca nos afastamos. Não obstante, a oração faz parte do perdão enquanto este – que por si mesmo é uma ilusão – não tenha sido alcançado. Enquanto não se tiver atingido o objetivo da aprendizagem, a oração estará vinculada a essa aprendizagem. Então, todas as coisas se transformarão em uníssono e serão devolvidas, imaculadas, à Mente de Deus. Uma vez que este estado está para além da aprendizagem, é indescritível. É preciso, no entanto, entender as etapas pelas quais há que passar para o alcançar, para que a paz seja restaurada no Filho de Deus, o qual ainda vive imerso na ilusão da morte e do medo de Deus.

III. Rezar por outros

1. Dissemos que sempre rezas por ti mesmo, e isto é verdade. Então, por que deves rezar pelos outros? E, se deves fazê-lo, como deves fazê-lo? Rezar por outros, se foi entendido corretamente, converte-se num meio para eliminar a culpa que projetaste sobre o teu irmão e para que possas reconhecer que não é ele que está a ferir-te. Tens de renunciar ao pensamento venenoso de que ele é teu inimigo, o teu duplo perverso e o teu vingador antes que possas ser salvo da culpabilidade. O meio para conseguir isto é a oração com poder crescente e objetivos ascendentes até chegar ao Próprio Deus.

2. As formas que a oração adota inicialmente, nos primeiros degraus da escadaria, não estão desprovidos de inveja e de maldade. Pedem vingança, não amor. Procedem de quem não entende que são pedidos de morte, feitos com medo por aqueles que muito estimam a culpabilidade. Estas formas de oração apelam a um deus vingador, e é ele quem parece responder-lhes. Ninguém pode pedir o inferno para outro e escapar desse mesmo inferno. Só os que estão no inferno podem pedir o inferno. Aqueles que foram perdoados e aceitaram o seu próprio perdão, jamais poderão rezar desta maneira.

3. Nestes níveis, pois, o objetivo da aprendizagem não pode ser outro senão reconhecer que a resposta a qualquer oração será idêntica à forma em ela foi feita. Isto é suficiente. A partir daqui, o passo que acede aos níveis seguintes será fácil de dar. Esta ascensão começa com o seguinte:

O que pedi para o meu irmão eu não desejo para mim. Portanto fiz dele meu inimigo.

Este passo, evidentemente não pode ser dado por quem acredita que libertar outros não tem qualquer valor nem é vantajoso para si mesmo. Portanto, pode ser adiado por muito tempo, pois pode parecer perigoso, em vez de misericordioso. Para os culpados parece ser vantajoso ter inimigos, mas este benefício fictício tem de desaparecer, se quiser libertar-se deles.

4. A culpabilidade deve ser abandonada, não ocultada. Isto não pode ser feito sem uma certa dor, e ter um vislumbre da natureza compassiva deste passo pode conduzir-nos, por algum tempo, a um medo muito profundo. Assim é porque as defesas do medo são, por si mesmas, bastantes temíveis e produzem medo quando são reconhecidas. Não obstante, para que serve ao prisioneiro a ilusão de evasão? A sua verdadeira evasão da culpa radica unicamente no reconhecimento de que a culpa desapareceu. Mas como é que ele pode reconhecer isto enquanto a ocultar em outro e não a vê como sendo sua. O medo da evasão faz com que te seja difícil dar as boas-vindas à liberdade e dá-te a impressão de que converter um inimigo em carcereiro proporciona segurança. Como é que, então, ele poderia ser libertado sem que tu experimentasses um profundo medo por aquilo que pudesse acontecer-te? Converteste-o na tua salvação e na tua evasão da culpa. O teu vínculo a esta forma de fuga é enorme, tal como é enorme é o teu medo de renunciares a ele.

5. Acalma-te, agora, por um instante e pensa no que fizeste. Não te esqueças que foste tu quem o fez e, portanto, só tu podes renunciar a isso. Estende a mão. Este inimigo veio para te abençoar. Aceita a sua bênção e sente como o coração fica aliviado e o medo desaparece. Não te agarres a este nem a ele. Ele é um Filho de Deus, como tu. Não é um carcereiro mas sim um mensageiro de Cristo. Sê isso para ele para possas vê-lo desse modo.

6. Não é fácil alguém dar-se conta de que rezar para obter coisas, posição social, amor humano ou «dádivas» externas seja de que gênero forem, é algo que se faz para instituir carcereiros e esconder-se da culpabilidade. Estas coisas convertem-se em substitutos de Deus e, portanto, distorcem o propósito da oração. O facto de desejá-las é que é a oração. Tais coisas, portanto, não têm de ser pedidas explicitamente. O objectivo de alcançar Deus é perdido de vista quando se perseguem objetivos menores, sejam eles quais forem, pelo que, assim, a oração transforma-se num pedido de inimigos. Até nisto o poder da oração poder ser reconhecido claramente. Ninguém que queira ter um inimigo deixará de encontrá-lo. Mas será inevitável perder de vista o único e verdadeiro objectivo que lhe foi dado. Pensa no custo que isto envolve e entende bem. Todos os outros objetivos são alcançados à custa de Deus.

IV. Rezar com outros

1. Enquanto este segundo nível não for atingido, não é possível que alguém se una a outros, em oração, uma vez que, até este ponto, cada um limita-se a pedir coisas diferentes. Todavia, desde que a necessidade de considerar o outro como um inimigo seja posta em dúvida e se tenha reconhecido, ainda que só por um instante, a razão de ser assim, então, será possível alguém unir-se a outros em oração. Os inimigos não compartilham objetivos. É assim que mantêm a sua inimizade. Os seus desejos separados constituem o seu arsenal: a sua fortaleza de ódio. A chave para alcançar um nível mais alto de oração, radica neste simples pensamento, nesta mudança de mentalidade:

Tu e eu caminhamos juntos.

2. A partir deste momento já é possível ajudar outros a rezar. E, assim, elevares-te, tu mesmo, mais alto. Com este passo inicia-se mais rapidamente a ascensão, embora ainda muitas lições estejam por aprender. O caminho está livre e desimpedido, e há muitos motivos para te sentires esperançado. No início, porém, é provável que, inclusivamente, aquilo que é pedido por aqueles que se unem em oração não seja o objectivo a que oração deve aspirar. É possível que peçam coisas conjuntamente e, assim, deem lugar à ilusão de que compartilham um objectivo. Talvez, conjuntamente, peçam coisas concretas, sem se darem conta de que estão a pedir efeitos que não têm causa, e que tais coisas não podem ser dadas. Assim é porque ninguém pode receber unicamente efeitos, por pedi-los a uma causa de onde estes não procedem, e, portanto, não lhos pode dar.

3. Assim, pois, até o ato de união não é suficiente, se os que rezam juntos não pedem, antes de tudo o mais, para saber qual é a Vontade de Deus. Apenas desta causa pode proceder a resposta na qual todas as coisas concretas são satisfeitas e todos os desejos separados se unificam. A oração que pede coisas concretas sempre está a pedir que, de alguma maneira, se repita o passado. Aquilo que de desfrutou previamente ou pareceu desfrutar-se, ou o que era de outro e a pessoa creu amar, não são senão ilusões do passado. O propósito da oração é libertar o presente das cadeias das ilusões do passado: permitir que o presente seja um remédio que se escolhe livremente para que substitua toda e qualquer decisão errada. O que este tipo de oração pode oferecer excede em tal medida tudo quanto pediste antes, que seria uma pena que te contentasses com menos.

V. O Final da escadaria

1. A oração é uma via para a verdadeira humildade. E aqui se eleva de novo, lentamente, tornando-se mais forte, amorosa e santa. Mas permite que abandone o chão desde onde inicia a sua ascensão para Deus, para que a verdadeira humildade venha, finalmente, para honrar a mente que pensou que enfrentava o mundo sozinha. A humildade traz paz porque não afirma que tens de governar o universo e julgar todas as coisas como tu quererias que fossem. A humildade deixa de lado, gostosamente, todos os deuses insignificantes, não com ressentimento, mas com honestidade, reconhecendo que não têm qualquer serventia.

2. As ilusões e a humildade têm objetivos tão díspares que não podem coexistir nem partilhar um espaço onde possam estar juntas. Onde uma de elas se apresenta, a outra desaparece. Aqueles que são verdadeiramente humildes não têm outro objectivo que não seja Deus, porque não têm necessidade de ídolos e, portanto, defesas não fazem sentido. A partir daqui, ter inimigos não serve para nada, pois humildade não se opõe a nada. Não se esconde envergonhada porque está satisfeita com o que é, por saber que a criação é a Vontade de Deus. A sua falta de egoísmo é o que é o Ser e é isto que vê em cada encontro no qual, gostosamente, se une a cada Filho de Deus, cuja natureza reconhece e partilha com ele.

3. A oração afasta-se agora do mundo das coisas, dos corpos e dos deuses de qualquer tipo, e, finalmente, podes descansar na santidade. A humildade veio para te ensinar a entender a glória que é tua por seres um Filho de Deus, e a reconhecer a arrogância do pecado. Um sonho ocultou, de ti, o rosto de Cristo. Mas, agora, podes contemplar a sua impecabilidade. A escadaria chegou bem alto. Estás quase no Céu. É muito pouco o que te falta aprender antes que a jornada termine. Agora, podes dizer a que quem se une a ti em oração:

Não posso ir a nenhum lado sem ti, pois tu és parte de mim.

E isto está certo. Agora, somente podes rezar por aquilo que partilhas com ele, pois deste-te conta que ele nunca se foi embora, e tu, que parecias estar só, és um com ele.

4. Este é o fim da escadaria, pois já não é necessário aprender. Agora, encontras-te ante as portas do Céu, com o teu irmão ao teu lado. Os jardins são amplos e serenos, lá onde, há muito tempo, te espera o lugar designado para o momento em que haverias de vir. Lá, o tempo terminará para sempre. Nestas mesmas portas a própria eternidade unir-se-á a ti. A oração converteu-se naquilo para que foi concebida, pois reconheceste o Cristo em Ti.

2. O PERDÃO

1. O perdão dá asas à oração para que a sua ascensão seja fácil e o seu progresso veloz. Sem o seu forte apoio, seria inútil ir além do primeiro degrau da escadaria da oração, ou, inclusivamente, tentar ascender mais. O perdão é o aliado da oração: um irmão no teu plano de salvação. Ambos têm de vir apoiar-te, manter os teus pés firmemente apoiados, assim como o teu propósito constante e imutável. Contempla a melhor ajuda que Deus te deu, aquela que Ele ordenou que estivesse contigo enquanto não chegares até Ele. O final das ilusões virá com isto. Diferentemente da natureza intemporal da sua irmã, a oração, o perdão tem um final. Tornar-se-á desnecessário quando a ascensão se completar. Não obstante, agora tem um propósito além do qual não podes ir, nem sequer tens necessidade disso. Alcança isto e terás sido redimido. Alcança isto e terás sido transformado. Alcança isto e salvarás o mundo.

I. Como perdoar a ti mesmo

1. Nenhuma dádiva do Céu foi tão mal entendida como o perdão. De facto, o perdão converteu-se numa praga: uma maldição quando o seu propósito era abençoar, uma cruel burla da graça, uma caricatura da santa paz de Deus. Mas aqueles que ainda não escolheram dar os primeiros passos da oração não podem usá-lo senão dessa maneira. A doçura do perdão, no princípio, parece difusa, porque não se entende o que é a salvação, nem se caminha realmente ao seu encontro. E, aquilo que tinha como propósito curar é utilizado para causar dano, porque não se deseja o perdão. A culpabilidade não se converte em salvação e o remédio parece ser uma terrível alternativa à vida.

2. O perdão-para-destruir ajusta-se muito melhor ao propósito do mundo do que o verdadeiro objectivo do perdão e do que os meios honestos mediante os quais ele se alcança. O perdão-para-destruir não se esquecerá de nenhum pecado, de nenhum crime, de nenhum resquício de culpa que possa encontrar e «amar». Para ele, o erro é algo de muito estimado, pelo que os enganos aumentam, crescem e expandem-se perante os seus olhos. Ele seleciona cuidadosamente todas as coisas perversas e despreza as amorosas como se de uma praga se tratassem: algo odioso que representa um perigo de morte. O perdão-para-destruir é a morte e é isto que vê em tudo o que contempla e odeia. A misericórdia de Deus converteu-se numa lâmina perversa que quer matar o santo Filho que Ele ama.

3. Gostarias de te perdoar a ti mesmo para fazer isto? Aprende, então, que Deus te deu os meios através dos quais podes regressar a Ele em paz. Não vejas os erros. Não lhes concedas realidade. Seleciona tudo o que é amoroso e perdoa todos os pecados preferindo, em seu lugar, o rosto de Cristo. De que outra forma pode a oração devolver-te a Deus? Deus ama o Seu Filho. Como poderias recordar-te Dele e, simultaneamente, odiar o que Ele criou? Se odeias o Filho que Ele ama, odiarás o Seu Pai, pois tal como vejas o Filho, assim te verás a ti mesmo, e tal como te vês a ti mesmo isso será Deus para ti.

4. Tal como rezas sempre para ti, da mesma forma é a ti que o perdão sempre é concedido. É impossível perdoar a outro, pois são unicamente os teus pecados aquilo que vês nele. Queres vê-los nele, não em ti. É por isso que perdoar a outro é uma ilusão. No entanto, é o único sonho feliz em todo o mundo: o único que não conduz à morte. Somente podes perdoar-te a ti mesmo em outro, pois fizeste-o culpado dos teus pecados e, agora, tens de encontrar a tua inocência nele. Quem, senão os pecaminosos, precisam de ser perdoados? Jamais penses que podes ver o pecado em alguém a não ser em ti mesmo.

5. Este é o grande engano do mundo, e tu és o que mais se auto-engana. Sempre parece que o outro é que é mau e que, como resultado do seu pecado, tu és prejudicado. Como é que a liberdade poderia ser possível se isto fosse verdade? Serias o escravo de todos, pois o que qualquer um fizesse ditaria o teu destino, os teus sentimentos, o teu desespero ou as tuas esperanças, o teu sofrimento ou a tua alegria. Não serias livre a menos que ele te concedesse a liberdade. E ele, ao ser mau, só pode dar maldade. Não podes ver os pecados dele sem ver os teus. Mas podes libertá-lo a ele e, também, a ti mesmo.

6. Perdoar verdadeiramente é onde radica a tua única esperança de liberdade. Tal como tu, os outros cometerão erros enquanto este mundo parecer ser a tua morada. Não obstante, o próprio Deus deu, a todos os seus Filhos, um remédio para todas as ilusões que julgam ver. A visão de Cristo não se serve dos teus olhos, mas tu podes olhar através dos olhos Dele e aprender a ver tal como Ele vê. Os enganos não são senão sombras efémeras que desaparecem rapidamente e, só por um instante, parecem ocultar o rosto de Cristo, o qual permanece imutável por detrás de todas elas. A sua constância permanece em tranquilo silêncio e em perfeita paz. Cristo não sabe de sombras. Dele são os olhos que olham, além do erro, para o Cristo em ti.

7. Pede-lhe, pois, a Sua ajuda, e como aprender a perdoar tal como a Sua visão permite que seja o perdão. Tens necessidade do que Ele dá, e a tua salvação depende de aprenderes o que Ele te ensina. Não se pode dar asas à oração para que se dirija ao Céu, enquanto o perdão-para-destruir continuar a ser o teu objectivo. A misericórdia de Deus quer eliminar este pensamento mordaz e venenoso da tua santa mente. Cristo perdoou-te, e, na Sua maneira de ver, o mundo torna-se tão santo como Ele. Ele não vê maldade no mundo, vê tal como faz, pois a quem Ele perdoou jamais chegou a pecar, pelo que a culpa não pode continuar a existir. O plano de salvação foi consumado e a sabedoria chegou.

8. O perdão é o chamamento à sabedoria, pois quem senão os dementes contemplariam o pecado quando, no seu lugar, poderiam ver o rosto de Cristo? Esta é a escolha que fazes: a mais simples e, no entanto, a única que podes fazer. Deus pede-te que salves o Seu Filho da morte oferecendo-lhe o amor de Cristo. Isto é algo de que necessitas, e Deus oferece-te esta Dádiva. Tal como Ele quer dar, assim tens de dar tu, também. E, deste modo, se restaura a oração ao indeterminado que está para além de qualquer limite à intemporalidade, sem nada do passado que a impeça de se reintegrar no canto ininterrupto que toda a criação entoa a Deus.

9. Mas, para alcançar este fim, primeiro tens de aprender, antes de poderes chegar ao ponto além do qual a aprendizagem não pode ir. O perdão é a chave, mas quem é que pode utilizar uma chave quando não sabe onde está a porta para a qual a chave foi feita e onde unicamente pode funcionar? Assim, pois, fazemos distinções para que a oração possa ser libertada da obscuridade e chegar à luz. A função do perdão tem de ser invertida e limpa de todos os usos perversos que fazem dele, e dos seus objetivos odientos. O perdão-para-destruir deve ser denunciado em toda a sua perfídia e, de seguida, abandonado para sempre. Não deve restar nenhum vestígio dele, se é que se quer realizar o plano que Deus estabeleceu para regressar e completar a aprendizagem.

10. Este é o mundo dos opostos. E, enquanto este mundo continuar a ser real para ti, a cada instante tens de escolher entre eles. Tens de aprender, porém, quais são as alternativas de que realmente dispões, ou não chegarás a ser livre. Permite-te, pois, entender o que é que, na realidade, o perdão significa para ti e aprende o que deveria ser para te libertar. O nível da tua oração depende de isto, pois é aqui que aguarda a tua liberdade para ascender, acima do mundo do caos, até à paz.

II. O perdão-para-destruir

1. O perdão-para-destruir, por ser uma arma do mundo das formas, adota muitas formas. Nem todas são óbvias e algumas encontram-se cuidadosamente dissimuladas por detrás do que aparenta ser a caridade. Todas as formas que parece adotar, não obstante, não têm mais do que este simples objectivo: separar e fazer com que o que Deus criou seja diferente.

2. Neste grupo encontram-se, em primeiro lugar, aquelas formas em que uma pessoa «melhor» se digna a rebaixar-se para salvar outra «mais baixa» do que verdadeiramente é. Neste caso, o perdão baseia-se numa atitude de predomínio indulgente, tão afastada do amor que a arrogância jamais poderia deixar de estar presente. Quem pode perdoar e, simultaneamente, depreciar? E quem pode dizer a outro que está mergulhado no pecado e, simultaneamente, percebê-lo como Filho de Deus? Quem escraviza para ensinar o que é a liberdade? Isto não é união mas, simplesmente, tormento. Isto não é misericórdia. Isto é a morte.

3. Outra forma de perdão-para-destruir, embora muito parecida com a primeira se for entendida corretamente, não chega, todavia, a ser tão arrogante: aquele que perdoa a outro não afirma ser melhor, em vez disso, diz que é tão pecador como ele, dado que ambos são indignos e merecem o castigo da ira de Deus. Este pensamento pode parecer humilde e pode induzir rivalidade em relação a quem é mais pecador e culpado. Isto não é ter amor pela criação de Deus nem pela santidade que é a Sua dádiva eterna. Como é que o Seu Filho poderia condenar-se a si mesmo e, ainda assim, recordar-se Dele?

4. Aqui, o objectivo é afastar Deus do Filho que Ele ama e mantê-lo afastado da sua Fonte. Este é, também, o objectivo daqueles que querem ser mártires às mãos de outros. Neste caso, há que ver claramente o objectivo, dado que pode parecer mansidão e caridade em vez de crueldade. Acaso não é demonstração de caridade aceitar o rancor do outro e não responder senão com o silêncio e um doce sorriso? Repara como és bom, como suportas com paciência e santidade a ira e a dor que outro te inflige sem mostrares a amargura que sentes!

5. O perdão-para-destruir oculta-se, frequentemente, atrás de um véu deste tipo. Mostra o rosto do sofrimento e da dor como prova silenciosa da culpa e dos estragos do pecado. Este é o testemunho que oferece quem poderia ser salvador em vez de inimigo. Mas, ao ter-se convertido num inimigo, tem de aceitar a culpa da dura repreensão que, deste modo, faz cair sobre ele. Será isto amar ou atraiçoar aquele que precisa de ser salvo da dor da culpabilidade? Que outro propósito poderia ter senão o de manter os testemunhos da culpabilidade afastados do amor?

6. O perdão-para-destruir pode, mesmo assim, manifestar-se sob a forma de discussões e de negociações. «Perdoar-te-ei se satisfizeres as minhas necessidades, pois a minha liberdade radica na tua escravatura». Diz isto a alguém e tornas-te escravo. E logo tratarás de te libertar da culpabilidade através de negociações que não te trarão nenhuma esperança, mas apenas maior dor e consternação. Quão temível se tornou, assim, o perdão e quão distorcido o objectivo que persegue! Tem piedade de ti mesmo, tu que negoceias desta forma! Deus só dá e nunca pede nada em troca. A única forma de dar é como Ele dá. Tudo o mais é uma caricatura. Quem tentaria negociar com o Filho de Deus e, ao mesmo tempo, dar graças ao Seu Pai pela sua santidade?

7. O que queres mostrar ao teu irmão? Queres reforçar a sua culpabilidade, consequentemente, reforçar, também, a tua? O perdão é o meio através do qual podes escapar. Que penoso é convertê-lo numa forma de produzir mais dor e escravidão. Há uma maneira de usar o perdão tendo em vista o objectivo de Deus para o mundo dos opostos e encontrar a paz que Ele te oferece. Não o utilizes para outra coisa ou terás encontrado a morte e rezado para te separares do teu Ser. Cristo é para todos porque está em todos. É o seu rosto aquilo que o perdão te permite contemplar. É no Seu rosto que vês o teu próprio rosto.

8. Todas as formas que o perdão possa adotar e não te afastem da ira, da condenação e de qualquer tipo de comparação são a morte, pois isso é o que os seus propósitos estabeleceram. Não te deixes enganar por elas; em vez disso desvaloriza-as, pois o que te oferecem é trágico e não tem qualquer valor. Tu não queres continuar a ser um escravo. Tu não queres ter medo de Deus. Queres ver a luz do sol e a luminosidade do Céu refulgindo sobre a face da terra, redimida do pecado e no Amor de Deus. A partir de aqui o perdão é libertado, juntamente contigo. As tuas asas tornaram-se livres e a oração elevar-te-á e levar-te-á até onde Deus quer que tu estejas.

III. O perdão-para-salvar

1. O perdão-para-salvar adota apenas uma forma, e somente uma. Não exige a ninguém que demonstre a sua inocência, nem nenhum tipo de pagamento. Não discute nem avalia os erros que pretende desvalorizar. Não dá presentes através do quais logo irá atraiçoar, nem promete liberdade enquanto pede a morte. Acaso Deus te enganaria? Somente te pede que tenhas confiança e estejas disposto a aprender a ser livre. Ele oferece o Seu Professor a quem quer que o peça e pretenda entender a Vontade de Deus. O facto de que Ele esteja tão pronto para dar encontra-se para além do teu entendimento e da tua simples compreensão. Não obstante, Ele dispôs que aprendas como chegar a Ele, e o que Ele dispõe é um facto.

2. Criatura de Deus, as dádivas de Deus são tuas, não devido aos teus planos, mas devido à Sua santa Vontade. A Sua Voz ensinar-te-á o que é o perdão e também como concedê-lo, tal como Ele dispõe que se conceda. Não trates de entender, pois, o que se encontra para além do teu alcance, mas deixa que seja uma maneira de te atrair para onde os olhos de Cristo se convertem na maneira de ver que tu escolhes para ver. Renuncia a tudo o mais, pois não há nada mais. Quando alguém te pedir ajuda, seja de que forma for, Ele responderá por ti. O único que tens de fazer é pores-te de lado e não interferir. O perdão-para-salvar é a tua tarefa, e Ele é Quem responderá por ti.

3. Não determines a forma que o perdão de Cristo deve adotar. Ele sabe como fazer para que cada petição resulte numa ajuda para ti, à medida em que te elevas rapidamente para, por fim, chegares à casa do teu Pai. Assim, Ele pode fazer com que o teu caminhar seja firme e as tuas palavras sinceras, mas não com a tua própria sinceridade, mas com a Dele. Permite que Ele se encarregue da forma como hás de perdoar e, assim, cada ocasião será, para ti, mais um passo que te conduz ao Céu e à paz.

4. Não estás cansado do cativeiro? Deus não escolheu este caminho amargo para ti. O que tu escolheste ainda pode ser desfeito, pois a oração é misericordiosa e Deus é justo. Ele pode entender a Sua própria justiça, mas tu não podes. Seja como for, Ele dar-te-á os meios para que possas aprender com Ele e, finalmente, possas entender que a condenação não é real e que só proporciona ilusões. No entanto, é irrelevante a forma que os sonhos parecem adotar. As ilusões não são certas. A Vontade de Deus é a verdade, e tu és um com Ele em Vontade e propósito. Com isto, acabam-se todos os sonhos.

5. «O que devo fazer pelo teu Santo Filho» deveria ser a única pergunta quanto a tua ajuda é requerida e te é pedido que perdoes. Mas não julgues a forma como tal te é pedido. E que não sejas tu a determinar a forma como o perdão salva o Filho de Deus. A Luz de Cristo nele é a libertação dele, e é isso que responde ao pedido. Perdoa-o tal como o Cristo decide que deves fazê-lo e sê os olhos Dele, através dos quais o olhas e, igualmente, falas por Ele. Ele conhece a necessidade: a pergunta e a resposta. Ele te dirá exatamente o que deves fazer, com palavras que possas entender e, também, utilizar. Não confundas a função Dele com a tua. Ele é a resposta. Tu, és quem escuta.

6. E acerca do que é que Ele te fala? Fala-te da salvação e da dádiva da paz. Do fim do pecado, da culpabilidade e da morte, e da função que Ele desempenha no perdão. Limita-te a ouvir. Pois Ele será ouvido por todo aquele que invoque o Seu Nome e ponha o seu perdão nas Suas mãos. O perdão foi-lhe dado para que o ensine, para que o salve da destruição e para que os meios da separação, do pecado e da morte se convertam, novamente, na santa dádiva de Deus. A oração é a Sua mão direita, a qual é libertada para salvar consoante se permite que o verdadeiro perdão proceda da Sua eterna vigilância e amor. Ouve e aprende, mas não julgues. É a Deus a Quem te diriges para ouvir o que deves fazer. A Sua resposta será tão clara como o dia, mas o Seu perdão não é o que tu crês que é.

7. Mas Ele sabe o que é, e isso é quanto basta. O perdão tem um Professor que jamais pode fracassar. Examina cuidadosamente o seguinte: não trates de julgar o perdão, nem de o colocar dentro de uma enquadramento terreno. Deixa que se eleve até Cristo, Quem o aceita como uma dádiva. Ele não te deixará sem consolo, nem tampouco deixará de te enviar os Seus anjos para que, em Seu Nome, te respondam. Ele encontra-se atrás da porta para a qual o perdão é a única chave. Dá-Lhe essa chave para que Ele a use em vez de ti, e verás a porta abrir-se silenciosamente, revelando-te o rosto de Cristo. Contempla o teu irmão aí, por detrás da porta: é o Filho de Deus tal como Ele o criou.

3. A CURA

1. A oração tem ajudantes assim como testemunhas que fazem com que a ascensão seja mais suportável e mais segura aliviando a dor que produz o medo, oferecendo consolo, bem como a promessa de esperança. A cura é a testemunha do perdão e a ajudante na oração. É a provedora da certeza de que, finalmente, triunfarás no que toca a alcançar o objectivo. A sua importância não deve enfatizar-se excessivamente, dado que a cura é um sinal, um símbolo da força do perdão; é apenas um efeito ou a sombra de uma mudança de mentalidade sobre o objectivo da oração.

I. A causa da doença

1. Não confundas o efeito com a causa, nem penses que a doença é algo à parte e separado do que não pode ser uma causa. As doenças são um sinal, a sombra de um pensamento maligno, que parece ser real e justo tal como o mundo o utiliza. A doença é a prova externa dos «pecados» internos e testemunha pensamentos rancorosos que ferem e procuram molestar o Filho de Deus. Curar o corpo é impossível, e isto é demonstrado pelo facto de que a «cura» é temporal. Portanto, o corpo não pode senão morrer, pelo que a sua cura não faz mais do que retardar o seu regresso ao pó de onde nasceu e para onde regressará.

2. A causa do corpo é não se ter perdoado ao Filho do Deus. O corpo não abandonou a sua fonte, o que é claramente visto na sua dor, no seu envelhecimento e no estigma da morte que leva sobre si. O corpo parece temeroso e frágil àqueles que creem que a sua vida está relacionada com o que ele ordena, que está vinculada à sua instável e diminuta respiração. A morte olha-os de frente, e cada momento que passa escapa-lhes irrevogavelmente das mãos sem que o possam reter. E sentem medo quando ocorrem perturbações nos seus corpos e adoecem, pois sentem o fedor da morte nos seus corações.

3.O corpo pode curar-se como resultado do verdadeiro perdão. Só isto nos pode fazer recordar a imortalidade: a dádiva da santidade e do amor. O perdão proporciona isto à mente que entende que deve desvalorizar todas as sombras que vê sobre o rosto de Cristo, entre elas a doença. A doença é apenas isto: o sinal de que um irmão julgou outro irmão e que o Filho de Deus se julgou a si mesmo, pois condenou o seu corpo ao convertê-lo numa prisão. E logo se esqueceu de que ele mesmo lhe atribuiu essa função.

4. O Filho de Deus tem, agora, de desfazer o que fez. Mas não o fará por sua conta, pois desprezou a chave que abre a prisão: a sua santa «impecabilidade» e a recordação do Amor do Seu Pai. Apesar disso, a Voz que o Seu Pai pôs nele, presta-lhe ajuda. O poder de curar, então, passa a ser a dádiva que o Seu Pai lhe dá, pois, mediante a Sua Voz, Ele pode chegar ao Seu Filho e recordar-lhe que, embora o corpo possa ser a casa que ele escolheu, nunca será a sua verdadeira casa.

5. Portanto, há que distinguir entre a cura verdadeira e a sua falsa réplica. A cura ocorre no mundo dos opostos, pois o que pode haver no Céu que precise de cura? Do mesmo modo que, no mundo, a oração pode falhar no que diz respeito àquilo que pede, do mesmo modo que a falsa caridade pode perdoar com intenção de matar, também a cura pode ser falsa ou verdadeira: um testemunho do poder do mundo ou do eterno Amor de Deus.

II. A falsa cura em oposição à verdadeira

1. A cura falsa não é mais do que um mísero intercâmbio de uma ilusão por outra mais «bela»: um sonho de doença trocado por um sonho de saúde. Isto pode ocorrer nas formas mais baixas de oração nas quais esta se combina com um perdão bem intencionado, porque ainda não se entendeu completamente o que é o perdão. Somente a falsa cura pode produzir medo, pois deixa à doença campo livre para investir novamente. De facto, a falsa cura pode eliminar certas formas de dor e de doença. Mas a causa continua viva e, por isso, não deixará de produzir efeitos. A causa continua a ser o desejo de morrer e de vencer Cristo. E, com este desejo, a morte é inevitável, pois a oração dá-lhe a resposta. Mas há um tipo de «morte» que tem outra fonte. Não é o resultado de pensamentos ofensivos nem de uma ira exposta contra o universo. Significa unicamente que o corpo deixou de ter utilidade. E, assim, escolhe-se abandoná-lo tal como nos desprendemos de roupa velha.

2. Isto deveria ser a morte: uma escolha serena, que se concretiza felizmente e com uma sensação de paz, pois o corpo foi usado com amor para ajudar o Filho de Deus a fazer o seu caminho para Ele. Portanto, damos graças ao corpo pelo serviço que nos prestou. Mas também nos sentimos agradecidos por ter deixado de haver necessidade de continuar a caminhar pelo mundo limitado, de alcançar Cristo de forma indireta e de poder vê-Lo claramente no seu esplendor. Agora, podemos contemplá-lo sem impedimento na luz que, novamente, aprendemos a ver.

3. Chamamos a isto morte, porque é liberdade, pois não se apresenta em formas que parecem impor-se, com dor, à carne que não está preparada, mas sim como uma doce bem-vinda à libertação. Se uma verdadeira cura ocorreu, esta poderá ser a forma da morte quando for o momento de descansar, por um momento, do trabalho gostosamente realizado e gostosamente concluído. Agora, dirigimo-nos em paz para uma atmosfera mais desafogada e para climas mais benignos, nos quais não é difícil verificar que as dádivas que demos foram guardadas para nós. Uma vez que Cristo, agora, se torna mais claro, a sua visão é mais constante em nós, e a sua Voz, a Palavra de Deus, é mais claramente a nossa.

4. Esta passagem tranquila para um nível de oração mais elevado, para um perdão misericordioso às coisas do mundo, só pode ser recebido com agradecimento. Antes que seja assim, não obstante, a verdadeira cura tem que ter abençoado a mente com um perdão amoroso pelos pecados que ela sonhou e projetou sobre o mundo. Agora, os seus sonhos são dissipados num tranquilo descanso. Agora, o seu perdão vem para curar o mundo e está pronta para ir em paz, uma vez que a jornada acabou e as lições foram aprendidas.

5. Esta não é a morte de acordo com a forma de pensar do mundo, dado que, perante os seus olhos amedrontados, a morte é cruel e apresenta-se como um castigo pelos pecados cometidos. Assim, como poderia ser uma bênção? E como se pode dar-lhe as boas-vindas se deve ser temida? Que cura pode ter ocorrido onde permanece tal ponto de vista acerca do que, simplesmente, é a abertura da porta que dá acesso a um mais elevado nível de oração e a uma justiça misericordiosa? A morte é uma recompensa, não um castigo. Mas este ponto de vista tem de ser fomentado por uma cura que o mundo não pode conceber. Não há curas parciais. Aquilo que se limitou a trocar uma ilusão por outra, não conseguiu nada. O que é falso não pode ser parcialmente certo. Se curas, a cura é completa. O perdão é a única dádiva e queres receber.

6. A falsa cura baseia-se na cura do corpo e deixa intacta a causa da doença, pronta para arremeter novamente, até que, numa aparente vitória, proporciona uma morte cruel. Por um tempo, a causa da doença pode manter-se afastada e produzir-se uma breve pausa, enquanto espera para descarregar a sua vingança sobre o Filho de Deus. Mas a causa da doença não pode ser derrotada enquanto não se abandonar toda a fé que nela foi depositada, e se tenha passado a ter fé no substituto que Deus dispôs para os sonhos perversos: um mundo onde não há véu de pecado capaz de o manter nas trevas e desconsolado. As portas do Céu abrem-se, finalmente, e o Filho de Deus é livre de entrar na casa que está pronta para lhe dar as boas-vindas, uma casa que foi preparada antes de que o tempo existisse e que continua à espera dele.

III. A separação em oposição à união

1. A cura falsa cura o corpo parcialmente, nunca na sua totalidade. Os seus objectivos podem ser vistos claramente, uma vez que não elimina a maldição resultante do pecado que nele radica. Portanto, é um engano. Não pratica a falsa cura aquele que entende o outro exatamente como a si mesmo, dado que é isto que proporciona a verdadeira cura. Quando é falsa, um dos dois goza de um certo poder que não foi dado igualmente a ambos. Nisto se pode ver claramente a separação. Com isto se perde o significado da verdadeira cura, e os ídolos levantam-se para enevoar a unidade que é o Filho de Deus.

2. Curar-para-separar talvez pareça uma ideia estranha. E, no entanto, assim é qualquer forma de cura que se baseie em qualquer tipo de desigualdade. Pode acontecer que estas formas de cura curem o corpo e, geralmente, a tal se limitam. Neste caso, o «curador» é alguém que sabe mais, alguém que recebeu melhor educação, talvez seja mais inteligente ou tenha mais talento. Pode curar, portanto, quem se encontra abaixo dele, ao seu cuidado. A cura do corpo pode ser efetuada deste modo porque, nos sonhos, a igualdade não pode ser permanente. Mudanças e alterações é o que compõe os sonhos. Curar parece consistir em encontrar alguém que, através das suas habilidades e experiência, seja capaz de curar.

3. Alguém sabe mais: esta é a frase mágica mediante a qual o corpo parece ser o objecto da cura, tal como o mundo a concebe. E é a esse, que sabe mais, que outra pessoa recorre para beneficiar dos seus conhecimentos e habilidades: para encontrar o remédio para as suas dores. Como é que isto pode ser possível? A verdadeira cura não pode proceder da desigualdade, a qual primeiro se assume e logo depois se aceita como verdade, a qual é usada para recuperar o doente e acalmar a mente que sofre a agonia das dúvidas.

4. Há alguma função que se possa desempenhar no ato da cura e que se utilize para ajudar a outro? Se respondemos com arrogância, a resposta tem de ser «não». Mas, com humildade, decerto há um lugar para quem quer ajudar. É como a função que se desempenha para ajudar o outro a rezar, a qual permite que o perdão seja aquilo para que foi concebido. Neste caso, não te consideras o portador da dádiva especial que proporciona a cura – limitas-te a reconhecer a tua unicidade com a pessoa que te pede ajuda, pois, nesta unicidade, se elimina a sensação de separação que era o que a punha doente. Não faz sentido administrar qualquer remédio a não ser onde a fonte da doença se encontra, pois, de outra forma, esta não pode ser curada realmente.

5. Há curadores, pois que há Filhos de Deus que reconhecem a sua Fonte e entendem que tudo o que Ela cria está em unidade com eles. Este é o remédio que cria um alívio infalível, um alívio que continuará a abençoar por toda a eternidade. Não cura em parte, mas totalmente e para sempre. Assim, a causa de todo o mal-estar foi mostrada exatamente como é. E, aí, está escrita, agora, a santa Palavra de Deus. A doença e a separação têm de ser curadas através do amor e da união. Nada mais pode curar tal como Deus estabeleceu a cura. Sem Ele não pode haver cura, dado que sem Ele não há amor.

6. Somente a Voz de Deus pode ensinar-te a curar. Ouve-a e nunca deixarás de brindar o Seu gentil remédio àqueles que Ele te envia para que permitas que Ele os cure e para abençoar todos quantos servem com Ele, em nome da cura. A cura ocorrerá porque a sua causa desapareceu. E, agora, ao não ter causa, não poderá voltar a apresentar-se sob outra forma. A morte deixará, assim, de causar medo, pois ter-se-á entendido o que ela é. Quem foi verdadeiramente curado não tem medo, porque o amor entrou onde, antes, reinavam ídolos, e porque o medo, finalmente, cedeu perante Deus.

IV. A santidade da cura

1. Quão santos são aqueles que se curaram! Pois, aos seus olhos, os seus irmãos partilham a sua cura e o seu amor. Os curadores são os portadores da paz, a Voz do Espírito Santo através da qual Ele fala por Deus, cuja Voz Ele é. Aqueles que se curaram limitam-se a falar por Ele, nunca por si mesmos. Não possuem outros dotes senão os que receberam de Deus. E compartilham-nos porque sabem que assim Ele dispõe. Os que se curaram não são especiais. São santos. Escolheram a santidade e renunciaram a todos os sonhos de possuírem os atributos especiais nascidos da separação, através dos quais poderiam ter oferecido dádivas desiguais a quem é menos afortunado. A sua cura restabeleceu-lhes a sua plenitude para que possam perdoar e unir-se ao canto da oração, no qual quem está curado canta a sua união e o seu agradecimento a Deus.

2. Enquanto testemunho do perdão, enquanto ajuda na oração e efeito da misericórdia verdadeiramente ensinada, a cura é uma bênção. E o mundo responde em coro através da voz da oração. O perdão permite que a luz do seu misericordioso indulto brilhe sobre cada folha de erva e cada asa emplumada, assim como sobre todos os seres vivos da terra. O medo não consegue encontrar refúgio aqui, uma vez que o amor chegou em toda a sua santa unicidade. O tempo só existe para permitir que o último abraço da oração descanse sobre a terra durante um instante, enquanto a luz faz desaparecer o mundo. Este instante é o objectivo de todos os verdadeiros curadores, a quem Cristo ensinou a ver à Sua semelhança e a ensinar como Ele.

3. Pensa no que significa ajudar Cristo a curar! Haverá algo mais santo do que isto? Deus dá graças aos seus curadores, pois sabe que a Causa da cura é Ele Mesmo, o Seu Amor, o Seu Filho restaurado tal como o que O completa, o Seu Filho que regressa para compartilhar com Ele o santo contentamento da criação. Não peças uma cura parcial, nem aceites um ídolo em lugar da recordação Daquele cujo Amor nunca mudou nem mudará jamais. Tu és tão importante para Ele tal como é a totalidade da Sua criação, pois esta radica em ti como a Sua dádiva eterna. Que necessidade tens de sonhos mutáveis num mundo penoso? Não te esqueças de estar agradecido a Deus. Não te esqueças da santa graça da oração. Não te esqueças de perdoar ao Filho de Deus.

4. Primeiro perdoas, logo depois rezas, e, deste modo, curas. A tua oração elevou-se e invocou Deus, Aquele que ouve e responde. Percebeste que perdoas e rezas só para ti mesmo. E, mediante este entendimento, curas. Ao rezar uniste-te à tua Fonte e apercebeste-te de que nunca te afastaste dela. Mas não poderás alcançar este nível enquanto não deixares de albergar ódio no teu coração ou qualquer desejo de atacar o Filho de Deus.

5. Nunca te esqueças disto: o Filho de Deus és tu e, tal como escolhas ser como ele, assim haverá de ser Deus contigo e tu também. Os teus julgamentos chegarão inevitavelmente a Deus, pois atribuir-lhe-ás a função que reconheces que Ele criou. Escolhe bem ou acreditarás que és tu o criador em vez Dele, e Ele deixará de ser a Causa para passar a ser somente um efeito. Se assim for, a criação é impossível, pois dizes que Ele é o culpado da tua perfídia e culpabilidade. Aquele que é Amor converte-se na fonte do medo, pois, agora, o medo está justificado. A partir daqui, Dele é a vingança, e a morte é o Seu grande destruidor. E a doença, o sofrimento e as perdas cruéis passam a ser o destino de todo aquele que caminha sobre a face da terra que Ele abandonou e deixou nas mãos do diabo, jurando que jamais a libertaria.

6. Vinde de novo a Mim, Filhos Meus, sem nenhum desses pensamentos arrevesados nos vossos corações. Continuais a ser santos na Santidade que vos criou perfeitamente impecáveis e que ainda vos envolve com os braços da paz. Sonhai agora com a cura. Levantai-vos e deixai para trás todos os sonhos, para sempre. Tu és aquele que o teu Pai ama, aquele que nunca abandonou o seu lugar, nem vagabundeou pelo mundo selvagem com os pés ensanguentados e com o coração pesaroso, cerrado ao Amor que é a verdade que há em ti. Entrega a Cristo todos os teus sonhos e permite que ele seja o teu Guia para a cura, enquanto te conduz, em oração, para além das ofertas do mundo.

7. Ele vem por Mim e comunica-te a Minha Palavra. Quero resgatar o meu fatigado Filho dos sonhos de maldade para que se una ao doce abraço do Amor eterno e da paz perfeita. Os Meus braços estão abertos para receber o Filho que amo, o qual não entende que está curado e que as suas orações nunca deixaram de entoar, juntamente com toda a criação, o feliz canto de agradecimento na santidade do Amor. Aquieta-te por um instante. Por detrás dos amargos e estridentes sons da luta e da derrota há uma Voz que te fala de Mim. Ouve-a por instante e curar-te-ás. Ouve-a por um momento e terás sido salvo.

8. Ajuda-me a despertar os Meus filhos do sonho de castigo e de uma vida miserável cheia de medo, cuja duração é tão breve que melhor fora que nunca tivesse começado. Permite-me, em vez disso, recordar-te a eternidade, na qual a tua felicidade aumenta conforme o teu amor se estende, juntamente com o Meu, para além do infinito, onde o tempo e a distância carecem de significado. Enquanto esperas pesaroso, a melodia do Céu está incompleta porque o teu canto faz parte da harmonia eterna do amor. Sem ti, a criação não pode realizar o seu objectivo. Volta para Mim, que nunca abandonei o Meu Filho. Escuta, Filho Meu, o Teu Pai chama-te. Não te recuses a ouvir o chamamento do Amor. Não negues a Cristo o que é Dele. O Céu está aqui e o Céu é o teu lugar.

9. A criação ultrapassa as grades do tempo para libertar o mundo da sua pesada carga. Alçai os vossos corações e acolhei a sua chegada. Vede as sombras a desvanecerem-se silenciosamente e os espinhos a desprenderem-se com suavidade da ensanguentada fronte daquele que é o santo Filho de Deus. Criatura da santidade, que belo és! Quão parecido comigo! Quão amorosamente te sustenho no Meu coração e nos Meus braços! Quão apreciada é cada dádiva que Me fizeste, tu que curaste o Meu Filho e desceste-o da cruz! Levanta-te e aceita o Meu agradecimento. E com a minha gratidão, primeiro chegará a dádiva do perdão e, logo de seguida, a paz eterna.

10. Devolve-me agora, pois, a tua santa voz. O canto da oração, sem ti, não tem som. O universo espera a tua libertação porque é a sua própria libertação. Sede doce com ele e contigo mesmo e, portanto, sede doce Comigo. Somente te peço isto: que encontres consolo, que não vivas aterrorizado e com dor. Não abandones o Amor. Lembra-te do seguinte: independentemente do que penses sobre ti mesmo, seja o que for que penses sobre o mundo, o Teu Pai precisa de ti e continuará a chamar-te até que, finalmente, voltes para Ele em paz.

Fonte: Uma ampliação de Um Curso em Milagres

——————————————————————————————-

Sugestão: Fone de ouvido

Recomendação de vídeos: Rosilaine Barreira

A minha IMPECABILIDADE me protege de todo mal

 

You are free to comment

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s